Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pingos de Chuva

Depois da chuva passar, haverá sempre um arco-iris no céu

Pingos de Chuva

Depois da chuva passar, haverá sempre um arco-iris no céu

02.07.14

Sophia

Miguel Sousa Tavares disse hoje, no dia da trasladação de Sophia de Mello Breyner Andresen para o Panteão Nacional, que a melhor homenagem que lhe poderiam fazer seria que os professores de Português dessem a obra da sua mãe nas escolas, "para que as crianças vejam o que é um português bonito, bem falado, em "desacordo" ortográfico e um português que as pessoas entendem, que formou gerações a ler".  Ao ouvir isto, dei-me conta de que faço parte de uma dessas gerações, que estudou Português na escola preparatória com textos de Sophia. Lembro-me de ler excertos de "O Cavaleiro da Dinamarca", "A Menina do Mar", "O Rapaz de Bronze", "Contos Exemplares" e de a professora de Português nos ter lido "A Fada Oriana" nas aulas, um pouquinho em cada dia. Talvez também venha daí o meu gosto pelos livros, se bem que naquela altura já devorava as colecções de "Os Cinco", "Os Sete", "As Gémeas". E não poderia estar mais de acordo com o "desacordo". Se tivessem a preocupação em investir no ensino do português, talvez não tivessem que transformar erros ortográficos em regra que, de tão absurdos, até faz impressão ver escritos.

Mais sobre mim

A ler ao som da chuva

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Como nem sempre faço referência, as fotos que aqui aparecem são retiradas da internet excepto as minhas que estão identificadas. Se alguma estiver protegida por direitos de autor, agradeço que me avisem e serão retiradas imediatamente.