Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pingos de Chuva

Depois da chuva passar, haverá sempre um arco-iris no céu

Pingos de Chuva

Depois da chuva passar, haverá sempre um arco-iris no céu

03.10.16

Pelo meio da multidão

Ontem foi dia de passeio por Lisboa. Desta vez, fui descobrir o miradouro de Sto Amaro e a capela que aí existe. Não é muito conhecido, pelos menos pelos turistas. Daí estar deserto mas com a capela aberta. Pequena, bonita, com as paredes de fora forradas de azulejos. Um nova perspectiva de Lisboa, principalmente da ponte e do rio. (lembro-me de ser miúda, ir para praia de autocarro e, ao passar na ponte, reparar naquele edifício redondo com um terraço à volta)

 

Próxima paragem: Belém. Parece que o mundo inteiro despencou na zona entre o palácio e a torre de Belém. Mas o mundo inteiro MESMO. Não estava à espera que estivesse um deserto mas com tanta gente? Quase não se conseguia dar dois passos sem chocar com alguém. A fila para os pastéis, enooorme (felizmente não sou grande apreciadora), à entrada dos Jerónimos, uma multidão, a passagem de acesso à torre cheia de gente a entrar e a sair. Por todo lado turistas aos magotes. O único sitio calmo onde se estava sossegado, sem confusões, era à beira rio, ao lado da Fundação Champalimaud. E a vista? Linda. Aquele mar de prata sem fim. Só por isso valeu a pena.

 

Decididamente Lisboa, ou certas zonas de Lisboa, estão cada vez mais atulhadas de turistas tornando impossível um simples passeio sem gente por todo o lado. É que faz viver numa cidade na moda. Felizmente ainda sobra muita cidade para se conhecer.

5 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

A ler ao som da chuva

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Como nem sempre faço referência, as fotos que aqui aparecem são retiradas da internet excepto as minhas que estão identificadas. Se alguma estiver protegida por direitos de autor, agradeço que me avisem e serão retiradas imediatamente.